sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

Meu pai


Meu  pai nunca foi um exemplo de ‘grande pai’. Tenho lembranças  terríveis do Job em tardes embriagadas na minha infância. Pai também nunca me acompanhou muito no futebol, minha maior paixão da infância.
Ultimamente, pela sua fragilidade psicológica e, talvez também a minha, andávamos mais próximos. Foi a São Paulo no lançamento do meu livro e parecia orgulhoso. É o que todos me disseram.
Mas pai era um homem cheio de defeitos. Um humano da melhor qualidade.
Dizem que quando nasci, em Ilha Solteira, só sabia ser amigos dos peões na Hidrelétrica e, por isso, nunca tinha alcançado o posto de chefe. Pai sempre gostou de pretos , pobres e desvalidos. E, desde já, digo que essa é maior herança que herdei do pai. Ele gostava de uma maneira visceral. Vivia a vida dos caras. Era amigo. Comia junto, levava pra trabalhar no campo. Tinha uma espécie de amor pela ‘não- soberba’.
Quero deixar claro que pai sempre ajudou, no imediato das coisas, todo mundo. Um bico pra esse, um dinheirinho praquele, uma roupa praquele outro. Nunca importou se ele estivesse na igreja, no prostíbulo ou no bar. Negócio do pai era ajudar.
Agora, já no final, me chamou um dia em sua casa e disse: “Filho, não brigue com as pessoas, controle-se, não fale alto, meu filho, não leva a lugar nenhum”. Falo isto com um misto de orgulho e raiva de mim mesmo, pois nunca consegui praticar com elegância essa característica de mansuetude  e  franciscana do pai.
Com o sumiço e a morte dele – recuso-me frontalmente a aceitar a morte, espiritualista que sou -  deu pra atestar, uma vez mais, o quanto o pai era e é amado. Sujeito cheio de amigos e sem facebook. A polícia ainda não sabe quem deu cabo do pai, ou se foi ele mesmo que deu cabo da vida. Mas vai continuar. Pai não para no senão da vida.
Eu já chorei o impossível, já briguei com ele no caixão, já fiz as pazes, o enterro é daqui a pouquinho. Mas tenho uma certeza tão absurda da presença dele aqui  que sinto a bronca dele comigo. Pai não dizia, mas a gente sabia: ele gostava de me ler.
Então tá aqui seu Jó, meus escritos,  às 3 da manhã, no teu velório. Há 2 dias sem dormir, seu filho sentou,  parou e te pediu perdão. Mando dizer também que te amo meu pai e que, daqui pra frente, não vai mudar muito a não ser que serei mais você e menos eu.
Vou te deixar um Guimarães Rosa, mineiro da tua terra, como forma de oração pra você e agradecimento  a essa gente que não tenho condições de falar pessoalmente:


— "Pai, o senhor está velho, já fez o seu tanto... Agora, o senhor vem, não carece mais... O senhor vem, e eu, agora mesmo, quando que seja, a ambas vontades, eu tomo o seu lugar, do senhor, na canoa!..." E, assim dizendo, meu coração bateu no compasso do mais certo.

6 comentários:

SANDRA TOCHIO GRUPO QUATRIPÉ disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
SANDRA TOCHIO GRUPO QUATRIPÉ disse...

Olá Rodrigo, lindo sua exposição de sentimentos tão desencontrados em momentos tanta dor,mas graças a Deus que ele foi encontrado e pode ter um enterro digno!Meus sentimentos...Um abraço Sandra

Sandra Kennedy Viana disse...

Rodrigo, sinto vivermos distancias inaceitáveis para primos, mas te lendo agora, te senti tão primo, tão filho do Jó... tão neto da tia Dona e do Tio Antonio. Sentimos muito!!!
Um abraço fraterno no seu coração.

Anônimo disse...

Simplesmente emocionante, forte e visceral esse teu texto sobre o teu pai. Sinta-se abraçado e confortado meu amigo. Acho que já escrevi isso e repito: pessoas como vc. faz o dia da gente ser menos árduo.

Araraquara/SP.
Fábio José Lourenço

João Paulo Marques disse...

Dei uma passada no seu blog para saber notícias da nossa Ferrinha e me deparei com este texto emocionante.
Trabalhei com o seu pai quando você tinha uns dez anos de idade. Me lembro de você na casa do seu tio Juarez, na rua 10, ainda criança.
Tive bons momentos ao lado seu pai como um dos meus patrões, mas nunca deixou de ser um amigo, um grande companheiro. Medimos muitas terras juntos na região de Araraquara, sempre com muito bom humor (sacanagens). Era só alegria, apesar do sol escaldante tudo era divertido.
Saudades do companheiro e do tempo que já se foi.
Grande abraço à você Rodrigo e fique com Deus.
João Paulo Marques

Anônimo disse...

tenho muito a falar do Sr. Job Siqueira Viana, foi meu colega de agrimensura, de trabalho em Jupiá, dividimos um quarto de alojamento no hotel a2 de jupiá.