terça-feira, 12 de outubro de 2010

Crônica da Chegada

É tarde de segunda-feira. O céu está cinza, mas a energia que vem do mar é transformadora. Passeio pelo Leblon, Ipanema, subo a pedra do Arpoador e ando toda Copacabana. Olho pro céu e flano junto com as gaivotas em seu vôo limpo e suave. E Deus existe.

As linhas de cima tornaram-se concretude ontem. Depois da primeira semana de trabalho, tirei o dia pra me encontrar com o Rio de Janeiro.

Existe, e quem já veio ao Rio sabe disso, uma áurea especial nos cariocas. Em outra ocasião escrevi que deve ser porque a cidade maravilhosa une os dois maiores projetos do criador: o mar e a montanha. E o ser-humano acaba se amalgamando a essa natureza, meio que fazendo parte dela.

Ontem também foi aniversário do João Vítor, meu afilhado. Recordei que, certa vez, ao terminar o projeto que me daria o diploma de jornalista, grafei – em letras garrafais – nas dedicatórias: “Dedicado ao João Vítor, meu afilhado e quem o futuro pertence”. E nós chegamos no futuro, meu pequeno/grande João.

Estas memórias afetivas tem um motivo: o trabalho que me trouxe ao Rio. É o terceiro projeto do ano que engato na Tv Brasil. Toca-me, de maneira muito especial, os anseios de uma TV pública, com acesso à população e uma abordagem de conteúdo não convencional/comercial.

Por isso, o texto da vez soa mais como uma oração de agradecimento. Ao Divino, aos amigos e principalmente ao fluxo da vida que, assim como o mar, vai e vem.

Espero fazer um trabalho digno. E não decepcionar os que me acompanham.



Dedicado ao Bernardo, Théo, Enzo e Luiza, meus sobrinhos amados e quem o futuro pertence

3 comentários:

Andrea Andrade disse...

Adorei o texto. Uma das coisas que acho mais difícil é traduzi sentimentos em palavras e vocÊ conseguiu com esse texto. Muito bom!
Um abraço,

Daniel Pecin disse...

Parabéns Viana, belo texto.
Abraços.
Daniel Pecin

Adalba disse...

muito bom rodrigo!
indiquei seu blog para um selo de qualidade! passa no devil's e dá uma olhada.
abraços